top of page
Post: Blog2_Post
  • Foto do escritorAdriana Ferreira

Resenha do Livro: A Trégua, de Mario Benedetti

Atualizado: 4 de jan.

Contada pela escrita genial de Benedetti, esta história causa desconforto, nos põe em conflito e faz pensar.

banner-raizes-resenha-do-livro-a-tregua-Mario-Benedetti


Confira a resenha do livro A Trégua, de Mario Benedetti, traduzido por Joana Angélica D’Avila Melo e publicado pelo selo Alfaguara em 2007.


Escrita em forma de diário, cada dia é uma confissão do protagonista sobre sua relação com os filhos, a perda de sua esposa, o peso do seu trabalho e o receio pelo período de ócio que terá com a chegada da aposentadoria.


Sem filtros ou censura, essa escrita pessoal e particular a que temos acesso é, em alguns momentos, desconfortável e repreensível, mas na medida em que avançamos e compreendemos seu universo, mais interessante ela fica. 


A Trégua, apresenta através da escrita genial, sincera e fluida de Benetti, a vida de Martín Santomé, um personagem complexo que vive importantes transformações. Com um final surpreendente e forte, a história desperta reflexões sobre o tempo, sobre como nos permitimos viver alguns sentimentos e como adiamos com facilidade algumas decisões. 


Uma história sobre amor, mas também sobre escolhas.


“A partir de amanhã, e até o dia da minha morte, o tempo estará às minhas ordens. Depois de tanta espera, isto é o ócio. O que farei com ele?”

Ao humanizar seu protagonista Martin, Benedeti evidencia como ninguém é 100% bom ou 100% ruim — um ótimo lembrete para o período polarizado em que vivemos. Somos todos multifacetados e com nossas qualidades e defeitos, carregamos a mesma capacidade para o fazer o bem, como para fazer o mal. 


E é essa proximidade do personagem com nossos sentimentos mais primitivos, que nos causa desconforto e nos confunde.


“Eu devia me sentir orgulhoso por haver ficado viúvo com três filhos e ter conseguido seguir adiante. Mas não me sinto orgulhoso, e sim cansado”.

Introspectivo, tomado pela amargura com uma rotina rígida e fria, vive muito isolado, com poucos amigos e vida social. E é justamente nessa fase que algo inesperado acontece: ele encontra um novo amor. Como alguém tão impenetrável se colocará para o amor?


“Ela me dava a mão e eu não precisava de mais nada. Bastava isso para que eu me sentisse bem-acolhido. Mas do que beijá-la, mais do que deitarmos juntos, mais do que qualquer outra coisa, ela me dava a mão, e isso era amor”.


De forma surpreendente, acompanhamos a evolução de sua relação amorosa, seu entendimento sobre o ócio e o significado do trabalho em sua vida. Vemos alguém que há muitos anos estava em um mundo cinzento, fechado na sua dor e passa a demonstrar sua sensibilidade, capacidade de amar e cuidar.


Ao mesmo tempo, descobrimos seus sentimentos e convicções mais profundas, com opiniões um tanto indigestas, atitudes preconceituosas, machistas e ultrapassadas. Em alguns pontos o texto choca e é difícil engolir o personagem, principalmente na sua relação com um de seus filhos, que se revela homossexual.


“Encontro meus filhos muito pouco. Nossos horários nem sempre coincidem, e nossos planos ou nossos interesses, menos ainda”.

Essa complexidade do personagem de fato nos prende e torna o livro muito interessante. Despertando sensações diversas, nos coloca em conflito sobre amar e odiar a mesma pessoa. 


Por óbvio, o personagem representa preceitos e comportamentos aceitáveis para a época em que foi publicado pela primeira vez, na década de 60. Sendo fundamental a sua contextualização, nos fazendo refletir sobre as mudanças sociais que sofremos e o quanto conseguimos evoluir em alguns aspectos, e em tantos outros seguimos estagnados.


Uma experiência de leitura complexa pela montanha-russa de sentimentos que desperta e pelos temas sérios de que trata. Recomendo demais!


 

Deixo aqui o link para adquirir o livro e ainda ajudar o Raízes: A Trégua, na Amazon.

 
foto-escritora-dri-ferreira-blog-raizes

Obrigada por ler! 🤓

Espero que tenha gostado e se inspirado a ler o livro.

📨 Se quiser acompanhar as novidades do blog, se inscreva em nossa newsletter, é grátis.

🔗 Se quiser compartilhar esse texto com amigos, use os botões abaixo e leve-o para sua rede social preferida.

Nos vemos no próximo texto 🥰



124 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page